quinta-feira, 17 de julho de 2008

Suspiro da Vida

De dentro de mim surge o suspiro
que se entala na garganta.
um suspiro que anseia por sair,
um suspiro que anseia por chorar,
um suspiro de lágrimas vindas no coração,
Um suspiro de experiências da incompreensão.
De todo o mar de ódio que banha o mundo.
Um mar de ódio que da vontade de gritar!
Um mar de ódio a que o meu suspiro não resiste.
Um mar de ódio para eternamente queimar...
saído de dentro de mim o suspiro que me vai crucificar!
O suspiro, ultima oportunidade para amar.
Um suspiro de memorias do nada.
memoria o frio do vazio, memoria de tentar queimar.
Eu que me refugio no vazio dos sonhos, eu que não me quero recordar.
Eu que o quero preencher, mas nada lá quer ficar.
O suspiro fugiu! Agora o mar vai-me apunhalar!
O mar que sempre crucifica quem quer amar.
Um mar que edifica o mal, um amar em que eu não quero nadar.

Um mar para eternamente queimar...

Grifo

1 comentário:

FábioMoura disse...

Novos textos?

Visitantes até ao verão de 2009

MySpace Widgets