sábado, 3 de outubro de 2009

Vulto...

Numa manhã de luz dourada...
Enquanto caminhava,
Orquestra tocava meu coração.
E com passos leves,
Apreciava o vento que me acariciava a cara.
Desperto num sobressalto...
Ouço o arrastar da orquestra,
Como se de simples pedras soltas num caminho se tratassem...
Olho impulsivamente para traz.
E, como se de um vulto demasiado próximo se tratasse.
Vi uma figura que me esboçou um sorriso,
Por entre um rosto frio e sóbrio...
Caminhava ao meu lado
Dissipando-se numa luz brilhante...

Grifo

4 comentários:

J'P ۞ disse...

Gsto dos teus poemas ^^

Incluindo este :)

Bj.

tns jeitinho xD

S.S disse...

lind^^

vês aki nao tenho o problema de nao perceber a tua letra xD

bjinh's

João Cunha disse...

Sei que não se pode apressar os criativos, mas no caso do Grifo, anseio para que o blog seja actualizado mais vezes com a poesia que teima em tocar sempre que a leio. :)

Grifo disse...

Nem é por falta de criatividade... mas sim por desleixo...

Tenho 2 poemas por publicar...

Coloco um hoje á noite...

Visitantes até ao verão de 2009

MySpace Widgets