domingo, 13 de dezembro de 2009

O sonho

Os olhos pesam-me,
O corpo desfalece,
A mente esvazia-se por momentos,
E caio por um precipício sem fundo...
A minha alma acorda,
A minha mão agarra-se à escarpa.
Vejo-me num mundo estranho,
Num precipício sem fundo.
Algo me diz para subir,
E eu sem pensar, subo.
Subo sem me questionar...
O cansaço toma-me o corpo.
O corpo é tomado pelo impotente pânico,
A mão arrasta-se pelo precipício,
Sem se conseguir agarrar.
O precipício acaba...
O seu fim não começa.
E caio sem dano,
No escuro da minha cama...
Esquecendo este momento de ilusão.

Grifo

7 comentários:

S' disse...

muito giro msm, tb andas a escrever muita bem (dps falas de mim) =)

bjinhs

geocrusoe disse...

pois essa de cair na caminha sabe bem... para mim foi um final inesperado.

Vieira Calado disse...

Venho desejar-lhe uma óptima quadra.

Saudações natalícias.

Grifo disse...

Um feliz natal para sim Também... :)

Anónimo disse...

Gostei bastante!
Beijo
G.

Dark Angel disse...

escreveste este poema quando ias ao meu lado na urbana!!
disses-te que tinha uma mensagem entre linhas mas eu nunca descobri o que era

Anónimo disse...

"O precipício acaba...
O seu fim não começa"

tao profundo..

Adorei

:)

C'B

Visitantes até ao verão de 2009

MySpace Widgets