quarta-feira, 17 de dezembro de 2008

O nevoeiro voltou


O nevoeiro voltou...
Fica cada vez mais espesso no meu coração.
Oh! Nevoeiro sufocante...
Tu que te apoderas da minha alma,
Abafas as vozes da alegria,
Tu que prende os sonhos...
E libertas as eternas lágrimas.
Oh! Nevoeiro passageiro...
Nevoeiro de eterna magoa.
Dissipa-te do meu coração!
Coração ferido e mal tratado.
Fonte de toda a lágrima.
Força da alegria...

Grifo

5 comentários:

oOo D*CosTa oOo disse...

Fantastico :)

geocrusoe disse...

Continuas com uma veia poética muito produtiva e actualizada... um primeiro dia de nevoeiro e logo o poema nasce...
Sabes, há dias em que o nevoeiro me entristece, mas há outros em que lhe descubro uma grande beleza e capacidade de silenciar muitos ruídos da natureza, enquanto salienta melodias de várias aves que cantam de modo diferente. Um mundo diferente a descobrir

Anónimo disse...

EXPEÇO?!!! Meu, se queres escrever poesia tens de aprender a escrever sem erros... este é arrepiante...

Grifo disse...

obrigado pelo aviso... adorei a amabilidade ^^

Manuela Viola disse...

Boas Festas, Grifo.
Um abraço

Visitantes até ao verão de 2009

MySpace Widgets